Impressões – Projeto Chutebol

O mais novo texto do blog do Instituto Pensando Esporte traz um grande parceiro para dentro do nosso ambiente. O Projeto Chutebol vai além de ser uma escola de futsal, agregando valores educacionais e afetivos, juntamente com ganhos técnicos e táticos sobre a modalidade. 

Localizado no Clube Militar, no Jardim Botânico, Rio de Janeiro, o projeto elabora além das aulas de futsal, torneios internos e externos, eventos dentro e fora do clube, rola até piquenique na Lagoa! Confira o site http://www.projetochutebol.com.br , e vai encontrar diversos textos que vão além do ensino do futsal. Então aproveite esse último texto do Chutebol, que reproduzimos por aqui.

 

O professor pensa nos jogos do fim de semana. Tem início uma pequena mutação, imposta pela fantasia inerente às competições infanto-juvenis: os alunos se transformam em jogadores; os pais, em torcedores; e ele mesmo, o professor, se reveste do papel de treinador.

Para além da imaginação em relação ao futuro, ao desempenho, às condutas desportivas para que dê tudo certo no evento, surge uma nuvem de lembranças. Lembranças de um passado recente, mas também de memórias antigas. Resolve devanear livremente e dividi-las.

Professores que já foram abordados no vestiário, no banheiro, até urinando, por pais querendo saber ou questionar essa ou aquela escalação de um jogo infantil. Essa é uma lembrança tragicômica, talvez nonsense. O que levaria alguém a fazer isso?

Familiares compreensivos com as dificuldades de suas próprias crias, apoiando de maneira incondicional o esforço individual e coletivo na busca de um resultado. Que não veio.

Crianças que, de tão ansiosas, mal conseguem permanecer na quadra; vomitam, têm dor de barriga, choram. Que peso é esse que sentem?

Pequenos craques que jogam com a elegância de veteranos e encantam um ginásio inteiro. Que leveza é essa que sentem?

Treinadores, muito investidos de seu papel nos momentos mais difíceis, que perdem a mão na condução das equipes, na fala, no gestual, na bronca. Conseguimos fazer autocrítica?

Professores sempre dispostos e atentos a um abraço amigo. Familiares sempre dispostos e atentos a um abraço amigo. Pequenos jogadores, sempre dispostos e atentos a um abraço amigo.

A alegria da arquibancada.

A fúria da arquibancada.

O medo de perder e o medo de vencer.

O compromisso e o sentido: afinal, por quê jogamos?

***

O professor volta a si. Sente que fez a pergunta necessária.

Aquele abraço, saudações esportivas

 

 

Autor: Rodrigo Tupinambá
Professor/Psicanalista, Fundador do Projeto Chutebol
Sócio Fundador do Instituto Pensando Esporte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: